sábado, 7 de agosto de 2010

A Mitologia Grega - Os Mirmidões.




Os mirmidões eram os soldados de Aquiles, na Guerra de Tróia. Até hoje, costuma-se dar esse nome a todos os seguidores fanáticos e inescrupulosos de um chefe político. A origem dos mirmidões, contudo, não dá a idéia de uma raça belicosa e sanguinária, mas antes de um povo laborioso e pacífico. Céfalo, rei de Atenas, chegara à Ilha de Egina, a fim de procurar ajuda de seu amigo e aliado, o Rei Éaco, em sua guerra com Minos, Rei de Creta. Céfalo foi cordialmente recebido e a desejada ajuda prometida sem demora. — Disponho de bastante gente para proteger-me e fornecer-te a força que desejares — disse Éaco. — Regozijo-me com isto — replicou Céfalo — e confesso que fiquei maravilhado de encontrar tantos jovens quantos vejo em torno de mim, todos aparentemente da mesma idade. Por outro lado, há muitos indivíduos que conheci anteriormente e que não vejo agora, por mais que procure. Que lhes aconteceu? Éaco deu um suspiro e respondeu, com tristeza: — Tencionava contar-te, e o farei agora, sem mais tardança, para que vejas como de um começo doloroso às vezes surge um resultado benéfico. Aqueles que conheceste antes são, agora, cinza e pó! Uma praga enviada pela cruel Juno devastou a ilha. Ela a odiava porque a ilha tem o nome de uma das favoritas de seu marido. Enquanto a doença parecia derivar de causas naturais, nós a combatemos, da melhor maneira que podíamos, com os remédios naturais. Não tardamos a verificar, porém, que a peste era demasiadamente poderosa para nossos esforços, e nos rendemos. No começo, o céu parecia ter baixado sobre a terra e espessas nuvens encerravam a atmosfera aquecida. Durante quatro meses inteiros, soprou um mortal vento sul. A desordem afetou os poços e os mananciais; milhares de serpentes arrastaram-se na terra e despejaram seus venenos nas fontes. A força da moléstia gastou-se, primeiramente, nos animais inferiores: cães, vacas, ovelhas e aves. O infeliz lavrador espantava-se ao ver os bois tombarem no meio de seu trabalho e ficarem inermes junto ao sulco inacabado.
A lã caía dos carneiros e seus corpos definhavam. O cavalo, outrora o mais veloz na corrida, já não disputava a palma, mas gemia em sua cocheira e morria de uma morte inglória. O javali esquecia sua fúria, o cervo, sua rapidez, os ursos já não atacavam os rebanhos. Tudo enlanguescia; as carcaças jaziam nas estradas, nos campos e nos bosques, empestando a atmosfera. Digo-te uma coisa que é quase incrível, mas nem os cães nem as aves, nem mesmo os lobos famintos as tocavam. A decomposição dessas carcaças espalhou a epidemia. A moléstia atacou os camponeses, depois os habitantes da cidade. A princípio, as faces congestionavam-se e a respiração tornava-se difícil. A língua inchava e endurecia e a boca ressequida abria-se com as veias alargadas, ofegante, em busca de ar. Os homens não toleravam o calor das roupas ou dos leitos, preferindo deitar-se no chão; e o chão não os refrescava, mas, ao contrário, eles é que esquentavam o lugar onde ficavam. Os médicos não podiam valer, pois a moléstia os atacara também e o contato com os enfermos os infeccionava, de sorte que os mais dedicados foram as primeiras vítimas. Então, os homens entregaram-se às suas inclinações, sem cuidar de indagar o que era conveniente, pois nada havia conveniente. Pondo de lado toda restrição, ajuntaram-se em torno dos poços e das fontes e beberam até morrer, sem matar a sede. Muitos não tiveram forças para sair da água e morreram no meio da correnteza, na qual os outros continuavam a beber. Tal era o horror que tinham de seus leitos de enfermos que alguns se arrastavam e, se não tinham forças suficientes para se sustentar, morriam no chão. Pareciam odiar os amigos e fugiam de seus lares, como se, não sabendo a causa de sua enfermidade, a atribuíssem à localização de sua morada. Alguns foram vistos arrastando-se pelas estradas, enquanto conseguiam manter-se de pé, ao passo que outros caíam em terra e lançavam os olhos moribundos em torno, para contemplar o mundo pela última vez, depois os fechavam para sempre. Que ânimo poderia ter eu, durante tudo isso, ou que poderia fazer, senão detestar a vida e desejar estar com meus súditos mortos? De todos os lados, estendia-se minha gente como maçãs caídas de maduras da árvore ou bolotas arrancadas, pela tempestade, dos carvalhos. Estás vendo aquele templo ali adiante, no alto? É consagrado a Júpiter. Quantos aí ergueram preces, maridos por esposas, pais por filhos, e tombaram no próprio ato da súplica! Quantas vezes, enquanto o sacerdote se preparava para o sacrifício, a vítima caía, abatida pela moléstia, sem esperar a pancada mortal! Finalmente, perdeu-se toda a reverência pelas coisas sagradas. Deixavam-se os cadáveres insepultos, faltava lenha para as piras funerárias, os homens brigavam disputando sua posse. Não restou mais ninguém para chorar os mortos; filhos e maridos, velhos e jovens pereceram sem serem lamentados. De pé diante do altar, ergui os olhos para o céu. Oh Júpiter — disse. — Se és, de fato, meu pai e não te envergonhas de tua prole, devolve-me meu povo, ou leva-me também! A estas palavras, ouviu-se um trovão. — Aceito o augúrio — gritei. — Possa ele ser indício de benevolência para comigo! Por acaso, havia, perto do lugar em que me encontrava, um frondoso carvalho consagrado a Júpiter. Observei uma multidão de formigas ocupadas em seu trabalho, carregando diminutos grãos na boca e caminhando uma atrás da outra no tronco da árvore. Notando seu número, com admiração, exclamei: — Dá-me, pai, cidadãos tão numerosos quanto estas formigas, para encher a cidade vazia. A árvore agitou-se, produzindo um ruído farfalhante com os ramos, embora nenhum vento a sacudisse. Tremi da cabeça aos pés, mas mesmo assim beijei a terra e a árvore. Não confessava a mim mesmo que tinha esperança, mas esperava. A noite chegou e o sono tomou posse de meu corpo cansado de preocupações. Em meus sonhos, vi a árvore diante de mim, com todos os seus ramos cobertos de criaturas vivas e moventes. Tive a impressão de que ela se agitava, atirando ao solo a multidão daqueles laboriosos animais, que pareceram aumentar de tamanho, cada vez mais, e, pouco a pouco, ficar eretos, deixar de lado as pernas supérfluas e a cor negra e, finalmente, tomar a forma humana. Acordei, então, e meu primeiro impulso foi censurar os deuses, que tinham me privado de uma agradável visão, para me trazer de volta à realidade. Estando ainda no templo, chamou-me a atenção o ruído de muitas vozes do lado de fora, coisa com que, ultimamente, não estava acostumado. Pensei que ainda estivesse sonhando, mas meu filho Télamon exclamou, abrindo as portas do templo: — Aproxima-te, meu pai, e vê que as coisas estão ultrapassando mesmo tuas esperanças! Saí e vi uma multidão de homens, tal como tinha visto em meu sonho, e que desfilavam da mesma maneira. Enquanto eu os contemplava admirado e satisfeito, eles se aproximaram e, ajoelhando-se, saudaram-me como seu rei. Rendi meus votos a Jove e tratei de entregar a cidade vaga à raça recém-nascida e de dividir entre seus membros os campos. Chamei-os mirmidões, por terem procedido da formiga (myrmex). Já viste esses homens; sua disposição parece idêntica à que tinham em sua forma anterior. É uma raça diligente e laboriosa, ávida de ganhar e perseverante na defesa do que ganha. Podes recrutar tuas forças entre eles. Eles te seguirão na guerra, de idade jovem e coração valente. A descrição da peste foi copiada por Ovídio da descrição que o historiador grego Trucídides fez da peste em Atenas. O historiador pintou a realidade, e todos os poetas e ficcionistas que tiveram ocasião de descrever uma cena semelhante nele se inspiraram.

2 comentários:

  1. Excelente texto. O Povo Formiga ainda habita entre nós? É importante citá-los nas escrituras contemporâneas.

    ResponderExcluir
  2. https://player.theplatform.com/p/Q7ZnIC/QZc3udYUd8CN/select/janN_j9VbxYa?autoPlay=true

    Muito bom! me interessei pelo assunto e encontrei-o , parabéns pelo blog!

    ResponderExcluir